segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

CONHEÇA A MAIS NOVA EDITORA DA BAHIA




           Pimenta Malagueta? Hum... lembra aquele cardápio baiano com direito a azeite de dendê, leite de coco, posso até sentir o cheirinho... Cheirinho!? Sim, cheirinho até se pode sentir, mas certamente não terá nada a ver com o cardápio inicial.
           A pimenta aqui é outra, meu caro, e não arde nos olhos e muito menos no bolso. Trata-se da mais nova editora da Bahia. Nova em todos os sentidos. Porque quando se trata da Miriam Sales, inovação e versatilidade são determinantes.
           Com a palavra a autora:

          Quando, depois de muitos estudos, decidi criar uma editora, não faltaram opiniões – algumas não pedidas – contra ou a favor.
Alguns me chamavam de louca, pois, conhecendo o ramo editorial, o país que vive e a falta de leitores e leituras, achavam que eu perderia tempo e dinheiro, além de dobrar minhas preocupações. Poderia passar o resto dos meus dias escrevendo tolices no PC, publicando um livrinho ou outro  e gastar o resto de tempo em coisas úteis como passear no shopping, viajar por lazer, ler e ouvir música.
           Mas, sinto-me com tanta vitalidade que não admitiria ficar de molho -ai, sim - cansada do “dolce far niente”.
        Não sei porque   me mandaram pra cá, mas,com certeza foi para realizar alguma coisa e lustrar minha passagem  realizando algum trabalho interessante; pois, minha sábia avó dizia que  ninguém vem aqui pra comer doce, sendo  esse um planeta de expiação.Eu penso que é um planeta de espiação, a gente deve espiar em volta e, se não gostar do que vê,ao menos tentar melhorar a paisagem. 
      Assim contra tudo e  com as bênçãos de alguns, nasceu a Pimenta Malagueta Editora.
Ela não veio para “abalar Bangu”, como se diz, mas, também, não veio para ser mais uma.

      A diferença é que valorizamos o autor, queremos fazer arte em livros e não temos apenas o intuito de ganhar dinheiro.
  Então, não é uma editora comercial? É! Mas, não vivo dela e, por isso, posso ter outras regras diferentes dos editores puramente comerciais.
           Se o autor me confia seu livro eu quero fazer o melhor livro da cidade  gastando pouco.
           Quero ser a Chanel das editoras.
          Para isso, gasto muito tempo no computador recrutando bons profissionais no mundo, já que, com a internet tenho o mundo ao alcance de um clique.
       Capistas, ilustradores, diagramadores, projetistas gráficos, cujos nomes estiverem impressos nas nossas fichas catalográficas, todos saberão que ali estão os melhores, escolhidos após longas horas de pesquisas.
        O livro mais simples sairá com cara de festa. E, num preço abaixo do que o autor encontrará, hoje, no mercado.
Dará certo? Não sei! Mas, sou tinhosa, quero fazer a experiência.
Livro belo e pronto. E a venda, o calcanhar de Aquiles do editor e do autor?
          Ah, tenho meus métodos e macetes. Afinal, durante dez anos fui diretora de venda de livros numa grande editora paulista e o número de troféus que tenho nas minhas estantes provam que fui muitas vezes premiada.
          Bom, a sorte está lançada e o recado, dado.
          Ao trabalho, então!

Conheça o site:
http://.wwwpimentamalaguetaeditora.com.br
E o blog: www.editorapimentamalagueta.blogspot.com


 
         E então, é ou não é uma proposta diferente de se fazer livro? Corra pro site e contate a autora! Ah, não vou dizer que a consulta é gratuita, isso todos fazem, não, é?

Ivone Alves Sol

Um comentário:

Miriam de Sales Oliveira disse...

Minina.a propaganda tá tão boa q/estou pensando em te convidar p/ fazer um livro;eu mesma faria um p/ mim ,se ,no começo ,achasse uma editora assim...
Mas,editora assim ´e coisa de louco,visionário...como eu! bjs gratos